Fale Comigo

Blog Listing

Resposta ao geneticista da USP: Homeopatia funciona

Dr lucas homeopatia

Prof. Dr. Lucas Franco Pacheco – Médico especialista em Homeopatia pela AMHB – AMB.

 

O professor de Genética e biologia molecular da USP, Beny Spira, publicou um texto no Jornal da USP no dia 15/05/2017 com o seguinte título : “A Homeopatia é uma farsa” (1):

jornal usp

Segue minha resposta ao texto do Professor livre-docente da USP:


É desinformação o que este professor expõe referente à Homeopatia no Jornal da USP .
As declarações de seu texto são claramente falsas. São comuns na Internet e mesmo em alguns artigos científicos este tipo de desinformação, mas é uma pena que tenha vindo de um professor livre-docente da USP. Basta um pouco de pesquisa para descobrir muitos estudos de alta qualidade que têm sido publicados em conceituadas revistas médicas e científicas, incluindo a Lancet, BMJ, Pediatrics, Pediatric Infectious Disease Journal, Chest e muitas outras. Embora algumas dessas mesmas revistas também tenham publicado pesquisas com resultados negativos para a homeopatia, há muito mais pesquisas que mostram um efeito positivo, ao invés de negativo.
O autor do do texto publicado no jornal da USP logo no início se contradiz:

A ciência baseia-se na busca pela verdade, não em opiniões

Em seguida afirma:

A homeopatia  é considerada pela grande maioria dos cientistas, uma pseudociência

Ou seja, num momento ele afirma que Ciência não se baseia em opiniões e, em seguida, se contradiz, defendendo que a homeopatia é pseudociência pois esta é a opinião da maioria dos cientistas.
Depois tenta justificar a impossibilidade do efeito do medicamento homeopático com base química na lei de Avogadro. Outro erro do autor, já que a Homeopatia sabidamente atua de forma frequencial, energética, e não química.  Uma recente pesquisa realizada no respeitado Indian Institute of Technology, o Instituto Indiano de Tecnologia, confirmou a presença de “nanopartículas” das matérias-primas, mesmo em diluições extremamente altas. Pesquisadores demonstraram pela Microscopia de Transmissão Eletrônica (TEM), difração de elétrons e análise química por Inductively Coupled Plasma-Atomic Emission Spectroscopy (ICP-AES) ou Espectroscopia de Emissão Atômica-Plasma Indutivamente Acoplado, a presença de entidades físicas nestas diluições extremas (2). À luz desta pesquisa pode-se afirmar que o que o professor da USP diz ou sugere de que há “nada” em medicamentos homeopáticos, fica evidente que ele está desinformado (precisa estudar mais sobre Homeopatia).
O professor livre-docente da USP também cita uma metanalise contra a homeopatia, mas omite no mínimo outras 8 metanalises favoráveis à homeopatia (3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) . Esta única metanalise com resultado desfavorável à homeopatia foi baseada em artigos que não respeitam os aspectos de individualidade e prescrição para a totalidade sintomática, fundamentais para se exercer a ciência homeopática.

Ele afirma que a ciência evolui constantemente, que cada livro lançado trás novos conhecimentos. Na verdade, se for assim, tudo o que praticamos hoje está errado já que amanhã será diferente. Esta medicina extremamente mutável em que valoriza o novo e despreza aquilo que é antigo, na verdade isto é comércio, é muitas vezes o mesmo medicamento com nova cara e também novos preços (mais caros), basta ler os estudos do Dr. Peter Gotzsche. Tudo o que é verdadeiro é eterno. Por exemplo, a física evoluiu, mas as leis de Newton são válidas até hoje. A homeopatia evoluiu, mas suas leis são válidas até hoje.

—“Da Relutância em deixar as coisas como estão,

Do excessivo zelo pelo que é novo e

O desprezo por aquilo que é antigo,

Da preocupação de valorizar o conhecimento mais

Que a sabedoria,

A técnica mais que a arte e

A esperteza mais que o senso comum,

Do hábito de tratar pacientes como casos e

Da conduta terapêutica que é mais penosa do que

A própria doença,

Deus nos proteja!”

Sir Robert Hutchinson


O autor é geneticista, provavelmente conheça o Pesquisador Dr. Luc Montaigner.

Prof. Luc Montagnier - Prêmio Nobel

Prof. Dr. Luc Montagnier – Prêmio Nobel

Em 2008, Dr. Luc Montaigner foi agraciado com o Prémio Nobel da Medicina que partilhou com Dr. Françoise Barré-Sinoussi pela descoberta que ambos fizeram do retrovírus VIH, responsável pela sida, e com Dr. Harald zur Hausen pela descoberta do papiloma vírus humano. Para além do Prémio Nobel da Medicina de 2008, Montaigner recebeu outros prêmios como reconhecimento do seu trabalho, tais como o Rosen Prize for Oncology, o Scientific and Technological Foundation of Japan’s Award, o King Faisal Award e o Gairdner Award.
Em uma entrevista notável publicado na revista Science de 24 de dezembro de 2010 (11), Professor Luc Montagnier, manifestou o seu apoio para a especialidade médica da medicina homeopática, muitas vezes criticada e incompreendida.

Montagnier, que também é fundador e presidente da Fundação Mundial para Pesquisa e Prevenção da AIDS, afirmou:

Eu não posso dizer que a homeopatia está certa em tudo. O que posso dizer agora é que as altas diluições (usadas em homeopatia) estão certas. Altas diluições de algo são diferente de nada. Eles são estruturas de água que imitam as moléculas originais

Aqui, Montagnier está fazendo referência à sua pesquisa experimental que confirma uma das características controversas da medicina homeopática que utiliza doses de substâncias que são submetidas à diluição sequencial com agitação vigorosa entre cada diluição. Embora seja comum para cientistas modernos assumir que nenhuma das moléculas originais permaneçam na solução, a investigação de Montagnier (como outras de muitos dos seus colegas) verificou que os sinais electromagnéticos do medicamento original permanecem na água e tem dramáticos efeitos biológicos.
A nova pesquisa de Montagnier está investigando as ondas eletromagnéticas que, segundo ele, emanam do DNA altamente diluído de vários patógenos. Montagnier afirma:

O que descobrimos é que o DNA produz mudanças estruturais na água, que persistem em diluições muito altas, e que levam a sinais eletromagnéticos ressonantes que podemos medir. Nem todo DNA produz sinais que podemos detectar com o nosso dispositivo. Os sinais de alta intensidade são provenientes de DNA bacteriano e viral

Montagnier escreveu sobre suas descobertas em 2009 (12). Em seguida, em meados de 2010, ele falou em um encontro de prestígio, para colegas ganhadores do Prêmio Nobel, onde ele manifestou interesse sobre a homeopatia e as implicações deste sistema de medicina (13).
A nova pesquisa de Montagnier evoca memórias de uma das histórias mais sensacionais da ciência francesa, muitas vezes referida como o “caso Benveniste”.

Pesquisador Prof. Jacques Benveniste

Pesquisador Prof. Jacques Benveniste

Um imunologista e pesquisador altamente respeitado, Dr. Jacques Benveniste, que faleceu em 2004, conduziu um estudo que foi replicado em três outros laboratórios universitários e publicado na revista Nature(14). Benveniste e outros pesquisadores usaram doses extremamente diluídas de substâncias que criaram um efeito sobre um tipo de glóbulo branco chamado basófilos.
Embora o trabalho de Benveniste tenha sido supostamente desmascarado (15), Montagnier considera Benveniste um “Galileu moderno” que estava muito à frente de seu tempo e que foi atacado por investigar um assunto médico e científico que a ortodoxia tinha erroneamente ignorado e até demonizado.
Além de Benveniste e Montagnier, é também a opinião de peso do Dr. Brian Josephson, que, como Montagnier, é um cientista ganhador do Prêmio Nobel.

Brian Josephson - Prêmio Nobel

Dr. Brian Josephson – Prêmio Nobel


Respondendo a um artigo sobre homeopatia na revista New Scientist, Josephson escreveu:


Quanto às suas observações sobre as alegações feitas pela homeopatia: críticas centradas em torno do número muito pequeno de moléculas de soluto presentes em uma solução, após ela ter sido repetidamente diluída, são irrelevantes, uma vez que os defensores dos medicamentos homeopáticos atribuem os seus efeitos, não a moléculas presentes na água, mas a alterações da estrutura da água.

Josephson descreveu como muitos cientistas hoje seofrem de “descrença patológica”, isto é, sobre eles é colocada uma atitude não científica, que é incorporada pela ideia de que “mesmo se fosse verdade, eu não acreditaria.
Na nova entrevista na revista Science, Montagnier também expressou preocupação real sobre a atmosfera não científica que atualmente existe em torno de certos assuntos não convencionais, como a homeopatia.

Disseram-me que algumas pessoas têm reproduzido os resultados de Benveniste, mas eles têm medo de publicá-los por causa do terror intelectual das pessoas que não os compreendem

Montagnier concluiu a entrevista quando perguntado se ele está preocupado que ele está à deriva em pseudociência, ele respondeu sem hesitação:

Não, porque não é pseudociência. Não é charlatanismo. Estes são fenômenos reais que merecem um estudo mais aprofundado


A maioria das pesquisas clínicas realizadas sobre os medicamentos homeopáticos publicada em revistas científicas têm mostrado resultados clínicos positivos (16 e 17), especialmente no tratamento de alergias respiratórias (18 e 19), gripe (20), fibromialgia (21 e 22), artrite reumatóide (23), diarreia infantil (24), de recuperação pós-cirúrgica de cirurgia abdominal (25), deficit de atenção (26) e redução dos efeitos secundários do tratamento do câncer convencionais (27).
Além de ensaios clínicos, várias centenas de estudos de pesquisa básica confirmaram a atividade biológica de medicamentos homeopáticos. Estudos in vitro encontraram 67 experimentos (1/3 deles repetições), sendo que quase 3/4 de todas as repetições tiveram resultados positivos (28 e 29).
Em conclusão, deve notar-se que o ceticismo sobre qualquer assunto é importante para a evolução da ciência e da medicina. No entanto, como mencionado acima pelo Prêmio Nobel Dr. Brian Josephson, muitos cientistas têm uma “descrença patológica” em determinados assuntos e, finalmente, criam uma atitude não saudável e não científica que bloqueiam a verdade e a ciência reais. O ceticismo está no seu melhor papel quando seus defensores não tentam cortar pesquisas ou acabar com a conversa, mas sim explorar possíveis novas (ou velhas) formas de entender e verificar fenômenos estranhos, mas convincentes. Nós todos temos esse desafio quando exploramos e avaliamos os efeitos biológicos e clínicos dos medicamentos homeopáticos.

Autor: Prof. Dr. Lucas Franco Pacheco, Médico Homeopata com título da AMB e Professor de Saúde Coletiva da UNIVÁS.
Referências:

1- http://jornal.usp.br/artigos/a-homeopatia-e-uma-farsa-criminosa/

2- Chikramane PS, Suresh AK, Bellare JR, and Govind S. Extreme homeopathic dilutions retain starting materials: A nanoparticulate perspective. Homeopathy. Volume 99, Issue 4, October 2010, 231-242.

3- Mathie RT, Ramparsad N, Legg LA, Clausen J, Moss S, Davidson JR, Messow C-M, McConnachie A. Randomised, double-blind, placebocontrolled trials of non-individualised homeopathic treatment: systematic review and meta-analysis. Syst Rev. 2017;6:63.

4- Mathie RT, Van Wassenhoven M, Jacobs J, Oberbaum M, Frye J, Manchanda RK, Roniger H, Dantas F, Legg LA, Clausen J, Moss S, Davidson JR, Lloyd SM, Ford I, Fisher P. Model validity and risk of bias in randomised placebo-controlled trials of individualised homeopathic treatment. Complement Ther Med 2016;25:120-5.

5- Mathie RT, Van Wassenhoven M, Jacobs J, Oberbaum M, Roniger H, Frye J, Manchanda RK, Terzan L, Chaufferin G, Dantas F, Fisher P. Model validity of randomised placebo-controlled trials of individualised homeopathic treatment. Homeopathy 2015;104(3):164-9.

6- Mathie RT, Clausen J. Veterinary homeopathy: systematic review of medical conditions studied by randomised trials controlled by other than placebo. BMC Vet Res 2015;11:236.

7- Mathie RT, Clausen J. Veterinary homeopathy: systematic review of medical conditions studied by randomised placebo-controlled trials. Vet Rec. 2014;175(15):373-81.

8- Mathie RT, Lloyd SM, Legg LA, Clausen J, Moss S, Davidson JR, Ford I. Randomised placebo-controlled trials of individualised homeopathic treatment: systematic review and meta-analysis. Syst Rev. 2014; 3: 142.

9- Hahn RG. Homeopathy: meta-analyses of pooled clinical data. Forsch Komplementmed 2013;20:376-81.

10- Nuhn T, Lüdtke R, Geraedts M. Placebo effect sizes in homeopathic compared to conventional drugs – a systematic review of randomised controlled trials. Homeopathy 2010; 99(1): 76-82.

11- Enserink M, Newsmaker Interview: Luc Montagnier, French Nobelist Escapes “Intellectual Terror” to Pursue Radical Ideas in China. Science 24 December 2010: Vol. 330 no. 6012 p. 1732. DOI: 10.1126/science.330.6012.1732

12- Luc Montagnier, Jamal Aissa, Stéphane Ferris, Jean-Luc Montagnier, Claude Lavallee, Electromagnetic Signals Are Produced by Aqueous Nanostructures Derived from Bacterial DNA Sequences. Interdiscip Sci Comput Life Sci (2009) 1: 81-90.

13- (Nobel laureate gives homeopathy a boost. The Australian. July 5, 2010. http://www.theaustralian.com.au/news/health-science/nobel-laureate-gives-homeopathy-a-boost/story-e6frg8y6-1225887772305

14- (Davenas E, Beauvais F, Amara J, et al. (June 1988). “Human basophil degranulation triggered by very dilute antiserum against IgE”. Nature 333 (6176): 816-8

15- Maddox J (June 1988) “Can a Greek tragedy be avoided?”. Nature 333 (6176): 795-7

16- Linde L, Clausius N, Ramirez G, et al., “Are the Clinical Effects of Homoeopathy Placebo Effects? A Meta-analysis of Placebo-Controlled Trials,” Lancet, September 20, 1997, 350:834-843

17- Lüdtke R, Rutten ALB. The conclusions on the effectiveness of homeopathy highly depend on the set of analyzed trials. Journal of Clinical Epidemiology. October 2008. doi: 10.1016/j.jclinepi.2008.06/015.

18- Taylor, MA, Reilly, D, Llewellyn-Jones, RH, et al., Randomised controlled trial of homoeopathy versus placebo in perennial allergic rhinitis with overview of four trial Series, BMJ, August 19, 2000, 321:471-476.

19- Ullman, D, Frass, M. A Review of Homeopathic Research in the Treatment of Respiratory Allergies. Alternative Medicine Review. 2010:15,1:48-58. http://www.thorne.com/altmedrev/.fulltext/15/1/48.pdf

20- Vickers AJ. Homoeopathic Oscillococcinum for preventing and treating influenza and influenza-like syndromes. Cochrane Reviews. 2009

21- Bell IR, Lewis II DA, Brooks AJ, et al. Improved clinical status in fibromyalgia patients treated with individualized homeopathic remedies versus placebo, Rheumatology. 2004:1111-5

22- Fisher P, Greenwood A, Huskisson EC, et al., “Effect of Homoeopathic Treatment on Fibrositis (Primary Fibromyalgia, BMJ, 299(August 5, 1989):365-6

23- Jonas, WB, Linde, Klaus, and Ramirez, Gilbert, “Homeopathy and Rheumatic Disease,” Rheumatic Disease Clinics of North America, February 2000,1:117-123.

24- Jacobs J, Jonas WB, Jimenez-Perez M, Crothers D, Homeopathy for Childhood Diarrhea: Combined Results and Metaanalysis from Three Randomized, Controlled Clinical Trials, Pediatr Infect Dis J, 2003;22:229-34

25- Barnes, J, Resch, KL, Ernst, E, “Homeopathy for Post-Operative Ileus: A Meta-Analysis,” Journal of Clinical Gastroenterology, 1997, 25: 628-633

26- M, Thurneysen A. Homeopathic treatment of children with attention deficit hyperactivity disorder: a randomised, double blind, placebo controlled crossover trial. Eur J Pediatr. 2005 Dec;164(12):758-67. Epub 2005 Jul 27

27- Kassab S, Cummings M, Berkovitz S, van Haselen R, Fisher P. Homeopathic medicines for adverse effects of cancer treatments. Cochrane Database of Systematic Reviews 2009, Issue 2

28- Witt CM, Bluth M, Albrecht H, Weisshuhn TE, Baumgartner S, Willich SN. The in vitro evidence for an effect of high homeopathic potencies–a systematic review of the literature. Complement Ther Med. 2007 Jun;15(2):128-38. Epub 2007 Mar 28

29- Endler PC, Thieves K, Reich C, Matthiessen P, Bonamin L, Scherr C, Baumgartner S. Repetitions of fundamental research models for homeopathically prepared dilutions beyond 10-23: a bibliometric study. Homeopathy, 2010; 99: 25-36


34 comments

  1. Glaucia Barros
    17 de maio de 2017 at 10:07

    Olá Dr. Lucas, sou pediatra (HC-UFPR) e homeopata, e quero parabenizá-lo pelo excelente artigo! Obrigada pelo texto e referências, peço permissão para compartilhar citando a fonte.
    Saudações homeopáticas!
    Glaucia Barros

    Reply
    1. Dr. Lucas Pacheco
      17 de maio de 2017 at 23:58

      Claro que sim Dra Glaucia.
      Obrigado,
      Saudações homeopáticas!

      Reply
  2. Leoni Bonamin
    17 de maio de 2017 at 13:42

    Muito boa sua revisão!

    Reply
    1. Dr. Lucas Pacheco
      18 de maio de 2017 at 00:03

      Olá Dra Leoni, me sinto lisonjeado com o elogio vindo de uma das maiores pesquisadoras de homeopatia e ultradiluições do mundo.
      Sou um admirador do seu trabalho!
      Obrigado,
      Saudações homeopáticas!

      Reply
  3. Flavia mattos vieira
    17 de maio de 2017 at 15:29

    Parabéns , Dr Lucas por uma defesa tão embasada e elucidativa .
    Nós, seus colegas homeopatas, lhe agradecemos em nome da Homeopatia e pela humanidade sofredora que tanto necessita de seus recursos terapêuticos .
    Persevere! Muita luz!! Bom trabalho!!

    Reply
  4. claudio tadeu
    17 de maio de 2017 at 16:53

    boa resposta

    Reply
  5. claudio tadeu
    17 de maio de 2017 at 16:54

    gostei

    Reply
  6. Renee
    17 de maio de 2017 at 22:42

    Ótimo Artigo!!!!

    Reply
  7. Melissa Eotvos Cunha
    18 de maio de 2017 at 02:34

    Parabéns, Dr Lucas , pelo artigo muito bem escrito e por te-lo publicado ……e também por ser voz de nós todos, homeopatas. Sou dentista homeopata em Santa Catarina e também estamos elaborando uma resposta ,via Associação; precisamos nos manifestar….. Obrigada,

    Reply
  8. Fátima Azevêdo
    18 de maio de 2017 at 06:30

    Prezado Dr Lucas Pacheco,

    Gostaria de lhe parabenizar por resposta tão completa e elucidativa à infeliz e descabida matéria sobre a ineficiência da homeopatia propalada pelo professor livre docente da USP, Beny Spira. Uma lástima testemunharmos que títulos nem sempre estão atreladas ao saber ou sabedoria de quem os possui, como no caso do tal livre docente que falou tão mal da homeopatia.

    Sou médica Geneticista com residência e pós graduação pela USP e docente do curso de Medicina da UFC. Eu mesma sou exemplo vivo dos benefícios da Homeopatia em minha saúde e testemunho diariamente os casos clínicos atendidos por colegas homeopatas e seus resultados positivos. Lamento que a ignorância patológica ainda faça moradia na mente de muitos colegas. Peço permissão para divulgar seu artigo e mais uma vez o parabenizo.

    Abraço fraterno,
    Fátima Azevêdo

    Reply
  9. Margarete Akemi Kishi
    18 de maio de 2017 at 11:04

    Prezado Dr. Lucas sou Farmacêutica especilista e professora em Homeopatia. Agradeço e parabenizo pela resposta e estou publicando na minha midia social.

    Reply
  10. Marcelo Guerra
    18 de maio de 2017 at 12:22

    Lucas, excelente revisão dos últimos e mais representativos trabalhos envolvendo a homeopatia! Muito obrigado!

    Reply
  11. Dayane
    18 de maio de 2017 at 13:10

    Muito esclarecedor o artigo, gratidão pelas informações compartilhadas.
    Saúde e sucesso!

    Reply
  12. Francisco Otávio Barros
    18 de maio de 2017 at 13:40

    Olá Dr Lucas!

    Meus parabéns pelo excelente artigo em defesa da nobre homeopatia.
    Muito obrigado.
    Saudações homeopáticas.

    Reply
  13. Larissa
    18 de maio de 2017 at 16:32

    Excelente. Sou médica e agradeço pela sua resposta clara e muito bem embasada.

    Reply
  14. MARIA CRISTINA PIMENTEL DE FREITAS
    18 de maio de 2017 at 17:33

    Lindo!!!! Aplausos de pé para você que tão bem defendeu nossa Homeopatia!!!! (sou médica homeopata, por isso considero nossa)

    Reply
  15. Mauricio Vasconcelos
    18 de maio de 2017 at 21:07

    Olá Dr Lucas, parabéns por seu trabalho!
    Sou Médico Veterinário Homeopata e Junto com Dr Daniel Monteiro da farmácia Antiqua em Niterói rj
    tenho tratado pacientes oncológicos com extraordinária contribuição com o uso de nosódios vivos cuja metodologia idealizada pelo renomado saudoso Dr Roberto Costa ( Petrópolis, RJ),possibilita curas e favorecimento sinérgico no processo terapêutico e cirúrgico como ferramenta a todo caminho dinâmico da doença.
    Grande Abraço.

    Reply
  16. J. Maria
    18 de maio de 2017 at 23:15

    Homeopatia está de parabéns…

    Reply
  17. Maurício Freire
    19 de maio de 2017 at 11:15

    Dr Lucas Parabéns pela publicação e gratidão por nos representar. Sou homeopata há 20 anos, fui professor e coordenador da área médica do CESAHO junto com Dr Lobão que tanto contribuiu para a homeopatia e sou ativista quântico. A física quântica tem nos proporcionado uma maravilhosa visão de que tudo no universo é energia e partícula ao mesmo tempo pela lei da complementaridade e tudo é informação e o que os grandes cientistas tem comprovado hoje é que a informação nunca se perde e assim as altas diluições contém as informações independente de quanto seja diluído. Infelizmente os denominados cientistas materialistas e presos em seus paradigmas se prestam a esses ridículos como o caso em discussão. Parabéns mais uma vez e me sinto representado. Gratidão.

    Reply
  18. Dr Jean Marc
    19 de maio de 2017 at 11:57

    Muito obrigado pelo artigo dr.Lucas!
    Sou suíço, mora no Brasil, mas trabalhei mais de 25 anos com dr. Jean Henry (Suíça) no desenvolvimento da “biologia homeopática”, no meio de testes de reatividades séricas (PRS), medindo o nivel de floculação do soro (espectofotometria) em relação aos 24 policrestes da MM.
    A profunda experiência adquirida durante esses anos com esta ferramenta biológica no tratamento de patologias as mais diversas não deixou espaço para dúvida em relação a realidade do “fenômeno homeopático”.
    Costuma ter grande tolerância em relação a divulgações contra a homeopatia, pois os autores tem capacidade limitada para avaliar uma ciência sem possuir capacidades necessárias para isso; um modelo de raciocínio diferente e leia terapeutica diferente.
    Um grande abraço,
    Dr. Jean

    Reply
  19. Dr. Francisco Eizayaga
    19 de maio de 2017 at 20:35

    Excelente artículo que muestra que la homeopatía no sólo ha evolucionado, sino que avanza a rápidos pasos dentro de la ciencia demostrando su efectividad y sus mecanismos de acción en la investigación clínica y básica. Tal vez también muestra que muchos científicos no han notado estos avances, escribiendo críticas basadas solamente en bibliografía sesgada de hace 12 años y en opiniones personales. La homeopatía es una ciencia y requiere, más hoy en día, estar actualizado para poder emitir un juicio. ¡Felicitaciones Dr Lucas Pacheco por la excelente revisión!
    Un abrazo desde la Argentina.
    Dr. Francisco X: Eizayaga

    Reply
    1. Dr. Lucas Pacheco
      22 de maio de 2017 at 00:55

      Ola Prof. Dr. Eizayaga,

      Obrigado pelas palavras. Sou admirador de seu trabalho na escola Argentina.
      Fiquei feliz ao constatar o impacto do meu artigo, chegando a ser lido e comentado pelo senhor, que é um dos maiores homeopatas da Argentina na atualidade.

      Continuemos com nossa mais nobre missão, que é restabelecer a saúde dos doentes, o que se chama curar.

      Enquanto os descrentes patológicos em sua soberba e altivez permanecem na elocubração e devaneios sem fim, os moribundos pacientes permanecem no sofrimento.

      A homeopatia e a medicina frequencial são o futuro, este é um caminho sem volta.

      Em 2009 com a publicação da pesquisa multicentrica, de Luc Montagnier, médico pesquisador ortodoxo, da escola convencional, virologista, prêmio nobel, comprovando o trabalho de Benveniste, aponta que este futuro chegou. A medicina convencional encontrou e reconheceu a homeopatia.

      Saudações homeopáticas,

      Reply
  20. pedro luiz ozi
    19 de maio de 2017 at 21:44

    Parabéns Lucas. Defende e enaltece a Homeopatia. Honra a APH.

    Reply
    1. Dr. Lucas Pacheco
      22 de maio de 2017 at 01:03

      Olá querido prof. Dr. Pedro Ozi,

      Seu conhecimento de matéria medica e seu amor aos pacientes são fortes inspirações para mim.

      Obrigado pelas palavras e principalmente por me ensinar o amor à arte de curar.

      Homeopatia é especialidade médica, é ciência. Continuemos a curar de forma completa, rápida, segura e menos nociva, assim como nos ensinou Samuel Hahnneman,

      Saudações homeopáticas,

      Reply
  21. Marlene Garcia
    20 de maio de 2017 at 12:15

    Dr. Lucas,
    Fiquei feliz com sua resposta. Entendo que cientistas devem escrever sobre suas pesquisas com o objetivo de elevar suas investigações e não com o de destruir o que desconhece. O pesquisador deve ser ético e sobretudo generoso para poder entender o ser vivo. Sou usuária de homeopatia e fitoterapia, muito do que o senhor escreveu não entendo porque não sou médica, mas tenho certeza que todo ser vivo é em princípio composto de energia e nesse campo iniciam as doenças. Desprezar isso é não enxergar a vida é sim a doença. Toda ciência é válida inclusive a pesquisa do professor que estuda bactérias geneticamente modificadas. Provavelmente o uso indiscriminado de antibióticos contribuiu para o aparecimento delas e a necessidade de combatê las, sob pena de ver qualquer ser vivo ser exterminado. Enfim, está na hora do ser humano olhar para dentro de si e reconhecer a vida. Deus abençoe seus estudos.

    Reply
  22. Jaire marques
    20 de maio de 2017 at 14:13

    Uso homeopatia desde os 18 anos estou com77anos , nunca tive um problema de saúde grave.A homeopatia é bons médicos homeopatas sempre nos salvaram de situações graves de saúde.Mesmo lendo o artigo daquele médico da USP contra a homeopatia eu não perdi a confiança nesse tratamento.Graças a Deus veio a defesa tão poderosa desses médicos.Que esse médico pense um pouco mais antes de escrever um artigo tão absurdo e mentiroso.

    Reply
  23. Modesta
    21 de maio de 2017 at 14:26

    Caro doutor:

    Tenho acompanhado essa polêmica em torno dos tratamentos homeopáticos e vejo como ainda estamos distantes de uma medicina mais humanizada.
    Tenho a impressão que a medicina está confundindo Hipócrates com hipocritas.
    Hanneman teve um trabalhão, foi hostilizado e depois reconhecido, e hoje, tanto tempo depois, ainda se dificulta a atividade de uma medicina eficaz e racional, além de econômica, por princípios interesseiros e por conhecimentos superficiais.
    Falo isso porque uso a medicina homeopática há uns quarenta anos, inclusive com uma netinha de quatro anos que já nasceu acompanhada pela homeopatia, e discordo das colocações negativas a respeito de tal pratica médica.
    Obrigada por nos esclarecer mais ainda.
    Abraço

    Reply
  24. Luiz São Thiago
    22 de maio de 2017 at 00:35

    Parabéns por esta brilhante defesa de tese diante das mentalidades que não conseguem perceber os novos paradigmas em farmacodinâmica. O que estes colegas alopatas não imaginam,(os céticos, claro) é que para o surgimento de cada patogenesia, faz-se um trabalho de alto rigor científico, surgindo, de cada substância estudada, um verdadeiro tratado de psicossomática. Basta ver, como exemplo, o resultado da experimentação do Lycopodium clavatum. Saudações homeopáticas. Fiquem com Deus.

    Reply
  25. Affonso Renato Meira
    22 de maio de 2017 at 16:14

    Sou Professor Emérito do Dep.Med.Legal,Ética Med,.e Med.Soc.e do Trab. da Fac.Med.USP. Sou formado médico pela Esc Paulista de Med. em 1955.Decidi estudar medicina para ser médico homeopata, pois que isto sirva de testemunho, meu pai era adepto da homeopatia e tinha profundo conhecimento do assunto. Eu e meus dois irmãos sofremos diversas doenças e sempre fomos cuidados pelas gotinhas que meu pai ministrava. Quero esclarecer que sou neto por parte de mãe de Alfonso Splendore, cientista italiano que verificou a presença do Toxoplasma no Brasil, além de diferentes descobertas no Brasil e na Itália. No Brasil foi companheiro de Adolfo Lutz. Durante o curso de medicina influenciado pelo valor da “ciências” me afastei da homeopatia. Hoje ex-Presidente da Academia de Medicina de São Paulo e com longa vivência médica e conhecedor de novos conhecimentos sobre a homeopatia não posso deixar de aqui trazer meu testemunho da vivência minha e de meus irmãos cuidados até a puberdade pela homeopatia.

    Reply
  26. Alberto Ribeiro
    23 de maio de 2017 at 02:45

    Parabéns Lucas por seu artigo. Sou Professor Titular de Biologia Celular do Instiuto de Biociências da USP e posso lhe dizer que eu, pessoalmente, tenho tido experiências fantásticas com a medicação homeopática. Meu clínico é unicista, além de tudo, e uso meu medicamento de fundo com efeitos incríveis. Como cientista tenho que admitir que temos que olhar para a homeopatia com uma outra abordagem, ampliando nossa visão além da ortodoxia estritamente científica, até porque creio que a ciência, apesar seus indiscutíveis avanços, ainda é extremamente limitada e insuficiente para explicar o universo em que vivemos.

    Reply
  27. CAROLINE FIDALGO
    26 de maio de 2017 at 03:05

    Querido Lucas, simplesmente orgulhosa de ter sido sua colega! Um beijo carinhoso.

    Reply
  28. GILSON ROBERTO
    2 de junho de 2017 at 13:16

    Parabéns pelo excelente e bem fundamentado artigo!
    Beny Spira acabou fazendo um grande favor à homeopatia ao demonstrar a falta de entendimento da ciência homeopática ao querer aplicar a sua visão alopática, mecanicista e reducionista dentro de uma abordagem que exige uma outra forma totalmente diferente de se olhar.
    Querer que pesquisas quantitativas sejam usadas para avaliar os tratamentos que exigem a individuação dos mesmos, evidencia a falta de critério científicos e de bom senso dos “cientistas” que criticam a prática homeopática.

    Reply
  29. Chico Juca
    3 de junho de 2017 at 05:52

    Só comentários positivos! O apoio à homeopatia é unânime.

    Reply

Deixe um comentário