Fale Comigo

Blog Listing

Homeopatia e Câncer

Dr. Lucas Franco Pacheco

Prof. Dr. Lucas Franco Pacheco – Médico Homeopata – Título de Especialista em Homeopatia pela AMB-AMHB.

Homeopatia cura Câncer?

Paciente com Câncer pode se beneficiar do medicamento homeopático?

Existem estudos científicos que comprovam a eficácia da Homeopatia no paciente com Câncer?

Estas são perguntas frequentes feitas pelos meus pacientes e pelos meus leitores, então vamos ao tema:

Benefícios da Homeopatia para pacientes com Câncer

Diversos benefícios da Homeopatia podem contribuir para o paciente diagnosticado com câncer. A homeopatia ajuda a diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia, melhora a função dos órgãos, facilita a desintoxicação,  diminui edemas e a incidência de infecções e inflamações. Ajuda a melhorar o apetite e a absorção intestinal dos nutrientes. Contribui para diminuição da dor aguda e crônica, atua no equilíbrio emocional e mental melhorando, deste modo, a qualidade de vida do paciente oncológico. Além disso, a homeopatia também pode favorecer os pacientes no pré e pós-operatório, fazendo com que ocorra menor sangramento e inflamação durante o ato cirúrgico, e a cicatrização ocorre de forma mais rápida e eficaz.

É importante salientar que, no paciente oncológico, a homeopatia não substitui a terapia convencional.

O medicamento Homeopático é aprovado pela Anvisa-Brasil e FDA-USA, a Homeopatia é Especialidade Médica regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina e reconhecida como prática médica pela Organização Mundial de Saúde – OMS, além de estar inserido na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPIC) pelo Ministério da Saúde do Governo Federal. O medicamento Homeopático pode ser administrado junto com radioterapia e outros remédios alopáticos e quimioterápicos de forma complementar sem risco de interação medicamentosa ou prejuízos ao paciente.

O Câncer na atualidade

Com base no documento World cancer report 2014 da International Agency for Research on Cancer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS), é inquestionável que o câncer é um problema de saúde pública, especialmente entre os países em desenvolvimento, onde é esperado que, nas próximas décadas, o impacto do câncer na população corresponda a 80% dos mais de 20 milhões de casos novos estimados para 2025. Segundo o INCA, os tipos de câncer mais incidentes no mundo são pulmão (1,8 milhão/ano), mama (1,7 milhão/ano), intestino (1,4 milhão/ano) e próstata (1,1 milhão/ano) e a estimativa para o Brasil, para biênio 2016-2017, aponta para a ocorrência de cerca de 600 mil casos novos de câncer. A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou em 2011 dados estatísticos acerca da incidência de câncer, indicando que esta é uma das principais causas de morte no mundo, tendo sido responsável por cerca de 13 % de todas as mortes.

O tratamento do câncer pode ser feito através de cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea, sendo que em alguns casos torna-se necessária a combinação de mais de uma modalidade. Outros tratamentos que podem ser usados no combate ao câncer são: os inibidores de angiogênese; terapias como as biológicas e genéticas; a hipertermia; a terapia fotodinâmica; a eletroterapia, entre outros.

Pesquisas Científicas envolvendo Homeopatia e Câncer

Na plataforma ScienceDirect, no ano de 2016, encontramos 2674 artigos publicados envolvendo Câncer e Homeopatia

Segundo a The National Center for Complementary and Integrative Health (NCCIH), além destes tratamentos, temos os recursos da medicina integrativa que podem ser utilizados como terapia complementar ao câncer como, por exemplo, a acupuntura e a eletroacupuntura; os suplementos nutricionais; os probióticos; a homeopatia; a fitoterapia, dentre outros.

No PubMed, no ano de 2016, constam 1333 pesquisas publicadas envolvendo Homeopatia e Câncer

O uso de terapias complementares e alternativas é particularmente elevado entre os pacientes com doenças graves como câncer. Bellavitte publicou um trabalho em 2005 indicando que na década de 90, nos EUA, a venda de medicamentos homeopáticos teve um aumento de 25% ao ano. Um estudo do ano de 2000 do The National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCIH) demonstrou que 69 % dos 453 pacientes com câncer pesquisados haviam utilizado também o tratamento da medicina Complementar.

The National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCIH) demonstrou que 69 % dos 453 pacientes com câncer pesquisados haviam utilizado também o tratamento da medicina Complementar

A terapia homeopática desenvolvida pelo médico alemão Cristiano Frederico Samuel Hahnemann visa estimular a capacidade do organismo em direção à cura. Alguns trabalhos publicados tem evidenciado que medicamentos homeopáticos modulam o sistema imune. Cesar e colaboradores publicaram em 2008 um trabalho demonstrando que os medicamentos homeopáticos ativam macrófagos e induzem a liberação de citocinas, Salvago e colaboradores publicaram um artigo em 2010 indicando que estes e outros efeitos podem fortalecer o organismo na luta contra o câncer.

Resultados mostram que in vitro, in vivo e ex vivo com tratamento Homeopático estimula citocinas importantes na diferenciação celular e sobrevivida de células de linhagem monocítica específicas e seus precursores

 

Frenkel e colaboradores (2010) realizaram um estudo in vitro objetivando determinar se os medicamentos prescritos na clínica podem ter efeitos sobre linhagens celulares de câncer de mama (MCF-7 e MDAMB-231) e células de mama normais (HMLE). Os medicamentos testados foram: Carcinosinum 30 CH, Phytolacca 200 CH, Conium maculatum 3 CH e Thuja occidentalis 30 CH. Os principais resultados deste estudo indicaram uma ação seletiva dos medicamentos em células tumorais, induzindo um atraso no processo de divisão celular e apoptose. Estes efeitos foram acompanhados por mudanças na expressão de proteínas reguladoras do ciclo celular, pela ativação da caspase-7, importante enzima envolvida com o processo apoptótico, dentre outras alterações celulares que se correlacionam com a inibição da divisão celular. Este estudo que foi realizado Universidade do Texas – EUA concluiu, curiosamente, que o efeito citotóxico de dois dos remédios homeopáticos investigados neste estudo, o Carcinosinum e o Phytolacca, pareceu similar à atividade do paclitaxel, o fármaco quimioterápico mais comumente usado para câncer.

Este estudo que foi realizado Universidade do Texas – EUA concluiu, curiosamente, que o efeito citotóxico de dois dos remédios homeopáticos investigadas neste estudo, o Carcinosinum e o Phytolacca, pareceu similar à atividade do paclitaxel, o fármaco quimioterápico mais comumente usado para câncer

Molassiotis e colaboradores publicaram na revista Ann Oncol. 2005, um grande estudo descritivo de 956 pacientes com câncer em 14 países europeus revelou que 35,9% dos pacientes com câncer estavam usando algum tipo de CAM – Medicina alternativa e complementar (intervalo entre os países de 14,8% a 73,1 %). A homeopatia foi a terapia CAM mais utilizado na Bélgica e entre as 5 mais utilizadas em cada um dos seis outros países (Turquia , Czech República , Suécia, Itália , Espanha e Grécia).

Um relatório clínico de 2008 da Índia, publicado por Banerji na revista Oncol. Rep. 2008, descreveu 14 pacientes com câncer tratados de forma eficaz com remédios homeopáticos como parte de um programa único, o National Cancer Institute ( NCI) chegou à conclusão de que a homeopatia pode ter efeitos sobre o tratamento do câncer.

Dr. Balzarini e colaboradores publicaram um artigo em 2000 demonstrando a eficácia do tratamento homeopático nas reações da pele durante a radioterapia em pacientes com câncer de mama (radiodermatite aguda).homeopatia e cancer 9

Dr. Schilappack e colaboradores também publicaram, em 2004, uma pesquisa envolvendo homeopatia e radiodermatite. Um dos problemas no qual o uso de medicamentos homeopáticos pode ser útil é a complicação que pode ocorrer após uso da radiação ionizante da radioterapia, chamada de radiodermatite (lesões na pele do paciente). Convencionalmente, esta condição é tratada com anti-histamínicos e corticosteróides tópicos potentes, nem sempre com sucesso. Isto afeta a qualidade de vida do indivíduo com alteração da imagem corporal, autoestima, levando ao isolamento social. Dr. Shilappack realizou um estudo em 2004 com 25 pacientes que fizeram uso da radioterapia após cirurgia para câncer de mama e apresentaram radiodermatite. Estes pacientes foram consultados e foi feita a escolha do medicamento em dose única para a coceira provinda da radiodermatite, através da técnica de repertorização homeopática. Após o uso do tratamento homeopático, obteve-se uma melhora em 85% dos casos.

Um artigo de revisão publicado no ano de 2006 por Milazzo e colaboradores, teve como objetivo avaliar criticamente as evidências de ensaios clínicos para a eficácia de qualquer tipo de remédio homeopático no tratamento de diferentes tipos de câncer, como leucemia, câncer de mama e câncer nas células sanguíneas. Este estudo demonstra que pacientes com câncer parecem ter se beneficiado de medicamentos homeopáticos, especialmente para radiodermatite, eventos adversos da radioterapia e quimioterapia. Os sobreviventes do câncer de mama, que sofrem de sintomas da menopausa, experimentaram uma melhoria geral na qualidade de vida.

Este estudo demonstra que pacientes com câncer parecem ter se beneficiado de medicamentos homeopáticos, especialmente para radiodermatite, eventos adversos da radioterapia e quimioterapia.

Este estudo demonstra que pacientes com câncer parecem ter se beneficiado de medicamentos homeopáticos, especialmente para radiodermatite, eventos adversos da radioterapia e quimioterapia.

Outro estudo desenvolvido em camundongos BALB/C inoculados com as linhagens celulares PC-3 ou MD-AMB-231, publicado por Maclaughlin em 2006, em que os animais foram tratados com Sabal serrulata 200 CH, Thuja occidentalis 1000 K, Conium maculatum 1000 K, Sabal serrulata 200 CH e Carcinosinum1000 K, por um período de 7 dias. Como controle, os animais receberam água dinamizada na 200 CH. Os resultados indicaram que os tratamentos utilizados não afetaram o peso corporal e foram isentos de toxicidade. Adicionalmente,o medicamento Sabal serrulata demonstrou um efeito inibitório mais pronunciado sobre o crescimento do tumor de próstata, com crescimento significativamente menor, quando comparado aos animais que receberam o regime de medicamentos combinados ou foram isentos de tratamento. Animais tratados com medicamento homeopático apresentaram redução do crescimento do tumor, quando comparados ao controle.

Guimarães e colaboradores publicaram na BMC Câncer, em 2010, um estudo em que foram demonstrados os efeitos do medicamento homeopático em melanoma altamente agressivo inoculado em camundongos. O complexo homeopático administrado sob forma inalatória mostrou um promissor potencial antitumoral, com diminuição significativa da capacidade metastática do tumor, devido à modulação da resposta imune dos animais.

homeopatia e cancer 8

O complexo homeopático mostrou potencial antitumoral, com diminuição significativa da capacidade metastática do tumor, devido à modulação da resposta imune dos animais.

Em 1990 foi realizado o primeiro estudo russo com homeopatia, publicado pelos autores Vozianov e Simeonova, em que foram examinados 37 pacientes com adenoma de próstata, onde o tratamento cirúrgico estava contraindicado por apresentarem graves doenças associadas. Os pacientes foram tratados com homeopatia por 6 a 9 meses. Como resultados, 85 % dos pacientes com queixa de micção frequente à noite mostraram redução da noctúria e melhor fluxo de urina. Em 89 % dos pacientes com queixa de urgência miccional, esse sintoma desapareceu. Outras melhoras que ocorreram com a maioria dos pacientes foram redução de micção diurna, melhora subjetiva na função sexual, melhora do exame clínico da próstata, observada em 12 dos 19 pacientes. O número de doenças concomitantes também foi reduzido, como diabetes mellitus, hipertensão e doença isquêmica do coração.homeopatia e cancer 10

Dr. Rajendran descreveu três casos de câncer onde o tratamento homeopático foi utilizado. Em um dos casos relatados, que era de um paciente masculino de 64 anos, que se recusou a fazer a cirurgia após o diagnóstico de adenocarcinoma metastático do reto, ele foi tratado com homeopatia durante 3 anos até sua morte, sem necessidade de hospitalização ou outras complicações, não curou, mas houve melhora na qualidade de vida. No outro caso, uma mulher de 77 anos, com câncer terminal do carcinoma de células de bochecha, previamente tratada com radioterapia, apresentou boa resposta aparente. No entanto, após o tratamento, não foi possível controlar o processo de ulceração, que é extremamente doloroso e refratário a analgésicos. Durante os últimos três meses de vida esta paciente foi tratada com homeopatia. Após a primeira dose do medicamento homeopático, as dores foram eliminadas, a paciente voltou a se alimentar e a dormir bem. O terceiro estudo de caso relatado por este autor foi de um paciente do sexo masculino, com 70 anos de idade, com diagnóstico de carcinoma da laringe. Após cirurgia, radioterapia e quimioterapia, o paciente começou o tratamento homeopático para melhora dos problemas por ele relatados, tais como: sudorese, dor de garganta, sinusite frontal, eczema, fístula anal, hemorróidas e dor nos membros superiores. O paciente tornou-se assintomático após três anos de tratamento homeopático.

Dr. Tomphson publicou o caso de uma paciente com diagnóstico de melanoma maligno recorrente, tratada no Glasgow Homoeopathic Hospital, que apresentava reclamações de fadiga e ansiedade, apesar de utilizar os medicamentos alopáticos Diazepam (ansiolítico) e o Cipramil (antidepressivo). Após dois dias de tratamento homeopático apresentou melhora significativa em seus sintomas. Em seis meses de tratamento com Homeopatia a paciente descontinuou o uso de Cipramil e de Diazepam.

Em seis meses de tratamento com Homeopatia a paciente descontinuou o uso de Cipramil e de Diazepam

Em seis meses de tratamento com Homeopatia a paciente descontinuou o uso de Cipramil e de Diazepam

Glasgow Homoeopathic Hospital

Glasgow Homoeopathic Hospital

Em 2003 Thompson e Reilly publicaram a pesquisa envolvendo o tratamento com quimioterapia e o uso de tamoxifeno (antineoplásico antiestrogênico não esteróide) para o câncer de mama que pode levar a exacerbação dos sintomas relacionado à perda de estrogênio, resultando em sintomas como insônia, diminuição da libido, ganho de peso, cistite, secura vaginal e erupções na pele. Quarenta pacientes com sintomas de abstinência de estrogênio e com câncer de mama participaram do estudo. Os sintomas mais freqüentes foram os fogachos, perturbação do humor, dor nas articulações e fadiga. A intervenção foi uma medicação homeopática individualizada. Houve melhorias significativas na ansiedade, depressão e qualidade de vida, sendo a abordagem homeopática clinicamente útil no tratamento de sintomas de abstinência de estrógeno em mulheres com câncer de mama com ou sem uso de tamoxifeno.

Portanto, cada vez mais estudos comprovam a utilidade da Homeopatia para melhorar a saúde e qualidade de vida de pacientes oncológicos. A Homeopatia, prática médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina desde 1980, ganha progressivamente mais adeptos e comprova, com milhares de estudos e pesquisas científicas publicadas nas mais importantes revistas do mundo, a sua eficácia em benefício do paciente, mesmo que diagnosticado com uma doença grave em tratamento paliativo com prognóstico reservado. A complementaridade da alopatia e homeopatia, utilizando o que de melhor existem destas duas tecnologias, traz mais benefícios ao paciente e, no caso do câncer, a homeopatia pode ajudar, de forma co-adjuvante, a tratar a doença, minimizando o sofrimento, melhorando a qualidade de vida, atuando em parceria com os tratamentos convencionais, como quimioterapia e radioterapia. Há uma sinergia entre os tratamentos e isto é benéfico para o paciente.

Autor: Prof. Dr. Lucas Franco Pacheco, Médico com título de especialista em Homeopatia pela AMHB-AMB.

site: www.doutorlucashomeopatia.com.br

 


5 comments

  1. Manoel Tomaz V. Leal
    25 de dezembro de 2016 at 21:29

    Parabéns pelo trabalho informativo cujas informações são dignas de elogios pelo bom senso; a homeopatia como coadjuvante ao tratamento convencional é positiva e com bons resultados, sobretudo na qualidade de vida,
    Sou portador de Parkison em grau moderado e estabilizado há 6 anos. Gostaria de saber se o brilhante colega tem experiência com tratamento e resultados. Sou também homeopata há app. 20 anos e mastologista.
    Um forte abraço
    Manoel Tomaz Vargas (CRM 2798-Bahia)

    Reply
  2. Laura Bonato Alves Oliveira
    5 de março de 2017 at 18:59

    Boa tarde Dr Lucas! Primeiramente, parabens pelo artigo. Sou farmacêutica e trabalho em uma farmácia de homeopatia e muitos pacientes estão nos procurando para auxiliar no tratamento do cancer. Você poderia disponilizar na integra alguns dos artigos citados? Obg pela atenção.

    Reply
    1. Dr. Lucas Pacheco
      5 de março de 2017 at 20:21

      Olá Laura, todos os artigos científicos citados estão com o título completo original seguido do nome dos autores, basta pesquisá-los nas plataformas de pesquisas indicadas. Obrigado! Estou à disposição. Dr. Lucas

      Reply
  3. NELSON
    19 de maio de 2017 at 02:07

    SOU HOMEOPATA PÓS GRADUADO NA ÍNDIA E NÃO USO NEM QUIMIO NEM RÁDIO E TENHO TIDO MUITO SUCESSO E REMISSÃO TOTAL DE VÁRIOS TIPOS DE CÂNCERES EM CENTENAS DE PACIENTES…

    Reply
    1. Nice Munhoz
      7 de agosto de 2017 at 13:27

      Good afternoon,

      I would like to know how to get in touch with Dr. Nelson homeopath because I have interest in the treatment for osteosarcoma cancer. Once my child has given up chemotherapeutic treatment and would like to be doing natural treatment.
      I await your return in the above email. Att,
      Nice

      Reply

Deixe um comentário